Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish
  • (27) 2102-2220
  • (27) 99956-2200
  • contato@clinicadedores.com.br

Tendinite de Aquiles

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Estou mancando há um certo tempo!

Tendinite de Aquiles, também chamado de Tendinite do Calcâneo é uma inflamação do tendão do calcâneo ocasionado por rupturas microscópicas das fibras colágenas, principalmente logo acima da sua fixação no calcâneo. Quando acomete atletas, os corredores são mais envolvidos sendo 9% a 18% das lesões em corridas. Esta patologia é frequente durante atividades repetitivas e de alta intensidade de treinos esportivos, principalmente em pessoas que ficam longos períodos de inatividade e retornam sem condicionamento físico adequado, mas também pode ser causada por calçados ou superfícies de treinamento irregulares.

 

ANATOMIA

Os músculos da panturrilha (tríceps sural) formados pelos músculos gastrocnêmio e sóleo são unidos por um tendão em comum, o tendão do calcâneo, que se fixa ao osso calcâneo. Esse grupo muscular traciona a alavanca propiciada pela tuberosidade do calcâneo, elevando o calcanhar e abaixando a parte anterior do pé, realizando assim a flexão plantar. O tendão do calcâneo (tendão de Aquiles) é o mais espesso e resistente tendão do corpo, possui cerca de 15 cm de comprimento, é uma continuação da aponeurose plana, formada a partir da metade da panturrilha, onde terminam os ventres do músculo gastrocnêmio.

 

QUADRO CLÍNICO

Os sintomas da tendinite de Aquiles geralmente têm um princípio insidioso, apresentando-se em três fases. No estágio agudo (sintomas de menos que duas semanas) a dor é rapidamente aliviada com repouso e os tecidos da região lesionada podem se tornar levemente edemaciados, sugerindo um aumento em largura do tendão. No estágio subagudo, a dor é mais difusa e ocorre durante a corrida, além de crepitação durante a dorsiflexão ativa e flexão plantar. Já no estágio crônico (sintomas além de seis meses de duração), a dor está presente sobre uma área maior e o indivíduo fica incapaz de correr.

 

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é feito pelo relato da história pelo paciente e através do exame físico ortopédico. O exame físico consta da verificação dos sinais vitais, avaliação da ADM (amplitude de movimento), avaliação postural, nível de dor através da escala numérica, testes de força muscular e palpação dos músculos gastrocnêmio e sóleo e tendão do calcâneo. São utilizados também exames por imagem como, radiografia do tornozelo, para avaliar se existem calcificações ao longo do trajeto do tendão e a ultrassonografia. Contudo, a ressonância nuclear magnética possibilita uma melhor visualização das condições teciduais do tendão de Aquiles.

 

TRATAMENTO

O tratamento conservador consiste em repouso com elevação da perna por aproximadamente duas semanas. Quando o paciente se encontra em fase aguda da tendinite, podem ser utilizadas técnicas de crioterapia (compressas de gelo) sobre o calcanhar. O médico poderá também prescrever o uso de anti-inflamatórios por via oral e em casos severos de tendinite, uso de órtese por algumas semanas. Em alguns casos após a diminuição dos sinais da inflamação, o paciente poderá ser encaminhado para um tratamento fisioterapêutico. Quando os sintomas persistem por vários meses após o tratamento conservador, o médico pode sugerir a cirurgia para a reparação do tendão de Aquiles.

 

BIBLIOGRAFIA

1. CIPRIANO, Joseph J. Manual Fotográfico de Testes Ortopédicos e Neurológicos. 4ed. São Paulo: Manole, 2005.

2. GOULD, James A. Fisioterapia na Ortopedia e na Medicina do Esporte. 2ed. São Paulo: Manole, 1993.

3. HEBERT, Sizínio et al. Ortopedia e Traumatologia: Princípios e Prática. 4ed. Porto Alegre: Artmed.

4. MOORE, Keith L. Anatomia orientada para a clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

5. WEISTEIN, Stuart L.; BUCKWALTER, Joseph A. Ortopedia de Turek: Princípios e sua aplicação. 1ed. São Paulo: Manole, 2000.

Figura – Fonte: (http://http://www.escolabolshoi.com.br/…/Portugu…/detPostagens.php…)

 

Bruno Maia Costa

Acadêmico do 6º Período do Curso de Fisioterapia

Centro Universitário do Espírito Santo – UNESC

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *