Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish
  • (27) 2102-2220
  • (27) 99956-2200
  • contato@clinicadedores.com.br

Neuralgia occipital

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Tirem esta dor, senão arranco a minha cabeça fora!

 

Os nervos occipitais maior e menor emergem da coluna cervical e ramificam-se ao longo do couro cabeludo. A neuralgia occipital é uma condição que esses nervos podem ser comprimidos ou danificados, gerando uma dor crônica, que por muitas vezes pode proporcionar uma sensação de queimação na parte posterior e lateral da cabeça.

 

Anatomofisiopatologia

Os nervos occipital maior, menor e o trigêmeo fornecem aferências sensitivas para os neurônios de segunda ordem, localizados ao nível do núcleo caudado do trigêmeo e dos primeiros segmentos cervicais. Estímulos dolorosos sobre o nervo occipital maior proporcionam alteração no metabolismo destes neurônios e, se forem sustentados, o aparecimento de síndromes álgicas craniana limitados ou não ao território deste nervo.

O nervo occipital maior origina-se de ramos posteriores dos segmentos C1 e C2 da coluna cervical; após sua emergência do gânglio, o nervo adquire trajeto recorrente em direção à borda inferior do músculo oblíquo capitis, contornando-o e trafegando em direção superior, adquirindo neste momento intima relação com o músculo semiespinhoso capitis; a partir deste ponto, cruza o referido músculo, mantendo o seu trajeto ascendente e estabelecendo nova relação ao passar sob o músculo trapézio; em sua última porção, o nervo atravessa as fibras tendinosas do músculo trapézio, exteriorizando-se no tecido celular subcutâneo. O trajeto percorrido pelo nervo permite o surgimento de diferentes pontos com vulnerabilidade variável, e apresentação clínica específica.

 

Causas e Quadro Clínico

A neuralgia occipital primária é rara, e alguns duvidam de sua existência. A teoria sugere um processo inflamatório neural, devido à contração muscular crônica, causando isquemia neural. Além disso, o nervo está sujeito a um certo grau de torque pela acção dos esternocleidomastóideos e trapézio. Neuralgia occipital mais vulgarmente se desenvolve após um ” chicote ” cervical ou occipital, contusão ou por modificações biomecânicas. Geralmente, os nervos estão mais sensíveis pela pressão exercida pelos músculos por onde passam.

O espasmo muscular e a dor são frequentemente associados com o aprisionamento dos nervos occipitais maior e menor, que por sua vez fazem com que a dor localizada e a contração muscular gerem um ciclo vicioso de dor-espasmo-dor.

Os sinais e sintomas são dor entre a parte de trás da cabeça, com exacerbações de curta duração, dor à palpação, assim como sensação de formigamento, dormência e fraqueza. Os sintomas podem durar horas a dias, variando a sua intensidade. É comum encontrar pontos de gatilho, mas foi observado que a percussão ou pressão sobre o nervo afetado pode induzir parestesia ou disestesia no território inervado. A pele do couro cabeludo pode permanecer sensível e haverá diminuição da rotação e flexão cervical por espasmo muscular reflexo.

 

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico é principalmente clínico, sendo necessário definir os seguintes critérios:

A. A dor é sentida no trajeto dos nervos occipitais maiores e menores.

B. A dor é forte e possui sensação de queimação (paroxística).

C. O nervo afetado é sensível à palpação .

D. A clínica cede temporariamente ao bloqueio anestésico local do nervo afetado.

O tratamento pode ser fisioterapêutico associado com o medicamentoso (ex: carbamazepina e indometacina). Caso a dor não cesse, pode ser necessário o bloqueio do nervo afetado e, em últimos casos, a intervenção cirúrgica.

 

Referências

PIOVESAN, ELCIO JULIATO et al. Nevralgia do occipital maior associada a lesão osteolítica occipital: relato de caso. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 1999, 57(1);114-119.

SANDOVAL, P. Neuralgia Occipital. Cuadernos de Neurologia. (online). 2002, 26(1).

 

Figura-Fonte(http://www.medicalexhibits.com/medical_exhibits.php…)

 

Fernanda Lopes

Acadêmica do quarto período de Medicina

Centro Universitário do Espírito Santo (UNESC)

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *